Pesquisar este blog

segunda-feira, 18 de abril de 2011

“Todos os dias”

Sabe aqueles dias em que o que você mais deseja é que ele termine? Pois bem, hoje fiquei olhando cada volta que o ponteiro do relógio dava, o trabalho não rendeu nem o mínimo esperado, o telefone tocou por diversas vezes, óbvio que eu sabia que era meu chefe, mas não atendi, pois na minha cabeça doente eu acreditava que ao olhar para o relógio eu estava ajudando o ponteiro a passar mais rápido, nem o meu cafezinho amargo de todos os dias eu tive vontade de tomar, não parei de olhar o relógio nem para fumar.
A hora do almoço chegou, todos foram para o feijão verde, restaurante em que sempre almoçamos, mas eu realmente estava sem fome, sem saco para conversas vazias e preferi ficar na clausura do relógio e da ansiedade, conferia de segundo em segundo se o relógio do pulso estava de acordo com o da parede, minhas mãos estavam suadas, meu coração acelerado, tão acelerado que parecia atrapalhar minha respiração, mil pensamentos passavam pela minha cabeça, as pernas pareciam ter vida, balançavam de um lado para o outro em um frenético Chacoalhar, os dedos tamborilavam no teclado sem nada produtivo para escrever, a boca estava seca, os olhos úmidos, eu sabia que aquele dia poderia ser o primeiro da minha vida...
Todas essas emoções, sensações, sentimentos e reações estavam dilacerando meu coração, a hora não passava, a vida não seguia e tinha tanta coisa pra acontecer aquela noite,mas parecia que até o céu conspirava contra mim.
O trabalho acumulou um pouco mais, meu editor pediu minha crônica e eu nada havia escrito, o puxa saco do escritório me cobrou mais atenção, a secretária gostosa passou diversas vezes rebolando em minha frente, mas nada despertava em mim alguma reação, além das trezentas que eu já estava sentindo.
Enfim o ponteiro do relógio foi meu amigo, era então 18:30, sai correndo do jornal, esqueci minha pasta, chave de casa, carteira de cigarro e minha consciência, parei na esquina e comprei orquídeas amarelas, peguei um táxi e rapidamente ordenei:
__ Dragão do mar, por favor... E se o senhor for rápido pago o dobro da corrida!
Curioso o taxista perguntou, qual era o motivo de tanta pressa!
Prontamente respondi:
__ Há muitos anos conheci uma garota, fui completamente apaixonado por ela, mas a vida girou e ela se casou com Dinamarquês, foi morar fora do país, mas ontem a noite em um jantar beneficente desses que odeio ir eu coincidentemente reencontrei esse meu grande amor do passado, claro que ela estava de braços dados com seu marido e eu com a minha esposa, por isso só tive a oportunidade de perguntar se ela ainda lembrava-se de mim, e quase sussurrando ela disse “todos os dias”, hoje pela manhã ela me ligou e disse está pronta para a nossa história, disse que chegou o nosso momento e que eu fosse encontrá-la no planetário do dragão do mar, onde no passado fizemos amor pela primeira vez, por isso caro amigo, pisa fundo!
O motorista camarada, acelerou o carro e em pouco mais de vinte minutos eu já estava diante do planetário, a lua estava linda, uma leve brisa corria refrescando meus desejos, a luz ofuscava a visão, mas o cheiro de amêndoas aguçou meus sentidos e me fez olhar na direção da mais bela de todas as criaturas, linda parecia ter a pouco sido esculpida por Deus, os olhos brilhavam, a boca sorria, as mãos me procuravam,e as pernas não resistiram e correram ao meu encontro, as orquídeas caíram no chão, envolvi Amanda em um abraço apertado, o beijo foi inevitável, corpo com corpo, alma com alma, boca dentro da outra boca, o mundo podia acabar naquele instante e eu já poderia dizer que a vida fazia sentido!
O mundo realmente acabou, um barulho imenso tomou conta do meu momento mágico, tive medo de abrir os olhos, a boca de Amanda perdia aos poucos a força de outrora, as mãos se soltaram de meu corpo, a música parou, não tinha como evitar então abri os olhos e me deparei com o sangue de Amanda em minhas mãos, as pessoas corriam de um lado para o outro, gritos e confusão, o sangue de Amanda em minhas mãos, o corpo de Jack marido de Amanda estva jogado em um canto do calçadão, a cena agora estava se juntando, uma arma de fogo ainda quente ao lado do corpo, Jack seguiu Amanda até o encontro e não suportando a traição, atirou em Amanda, depois se matou e deu fim trágico a minha bela história de amor!
Num último suspiro de vida, Amanda juntou todas as suas forças e disse:
__ E esse foi o meu “Até que a morte nos separe”

12 comentários:

  1. Que loucura!
    Existem amores obsessivos que não medem as consequencias.
    Amores que não sabem perder, que não aceita o fim.
    Este parece ser um deles.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  2. Ola querida amiga...

    Realmente existe todo tipo de amor, e qualquer um
    é muito bom o ruim é quando amor torna-se loucura,
    o grande problema é que de médico e louco, todo mundo tem um pouco!!!kkkkk

    Grande beijo!
    Obrigada por seu comentário!!!

    ResponderExcluir
  3. para tudo na vida existe um hora de parar!

    ResponderExcluir
  4. Que fim triste!
    Um amor que tinha tudo para dar certo.
    Belíssima história.
    Bjos e boa semana

    ResponderExcluir
  5. oi!
    quero te desejar uma feliz páscoa!
    bjos menina!

    ResponderExcluir
  6. me desculpa...demorei voltar né?
    Tá tudo lindo por aqui
    adorei ficar brincando de mudar a cor do blog.ahahah
    Não tinha visto isso ainda.
    feliz páscoa amiga
    beijos
    Lorete

    ResponderExcluir
  7. Vim para te desejar uma feliz Páscoa
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Obg para todos que visitaram o meu blog, tenham uma Feliz Páscoa e que os bons espíritos os levem a um caminho de paz e amor!

    Quanto a vc LORETE, bom saber que gostou dessa coisa de mudança de cor no blog, pq eu não gostei muito não, mas como foi colocado por uma amiga muito dedicada eu deixei e também pq não entendo nada dessas coisas e ela é fera nisso!!!kkkkkk

    Obg por sua visita!!!!
    Feliz pascoa!

    ResponderExcluir
  9. Quem nunca fez loucura por amor que atire a primeira pedra... rsss
    Muito legal seu artigo. Paz e feliz Páscoa,

    adorei!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    a PRINCÍPIO OLHEI E GOSTEI!
    MAS CONFESSO QUE AINDA NÃO LI!
    MAS VOU VOLTAR E LER COM ATENÇÃO
    MAS COMO BATI O OLHO E GOSTEI JA ME TORNEI SUA SEGUIDORA!
    BEIJOS PRAZER MEU NOME É ALINE!

    ResponderExcluir
  11. Surpreendente! um beijo e FELIZ Páscoa! chica


    ::: (\_(\
    *: (=' :') :*
    ·.. (,('')('')¤°.¸¸.·´¯`»

    ResponderExcluir
  12. Pocahontas,

    Triste, mas linda história. Muito bem construída com esse final inesperado. Parabéns!

    Beijos!
    Alcides

    ResponderExcluir