Pesquisar este blog

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Abaixo ao socialismo, abaixo ao comunismo, abaixo a ditadura por que hoje eu só quero amar!



Hoje aqui na redação do jornal uma bela mulher passou por mim, e deixou seu perfume espalhado pelo ar, esse aroma eu já conhecia, os pelos dos meus braços reagiram, minha mente me transportou pra um passado doloroso ....
Parece que foi ontem, lembro do barulho que o vento fazia ao balançar as folhas, lembro do brilho do sol, lembro mais especificamente do raio do sol que iluminou seu rosto, nossa, você realmente era a garota mais linda que estudava naquela faculdade, eram anos difíceis, a ditadura não dava trégua, a UFC (Faculdade Federal do Ceará) estava em chamas, o mundo estava caindo, mas naquele instante minha única preocupação era a vontade de ser a latinha de coca-cola que você bebia, eu sabia que tinha que me aproximar, puxar papo, ao menos me apresentar, mas não tive coragem, eu sempre fui falastrão, desinibido, solto e descolado, mas quando amor bateu, bateu tão forte que calou minha voz e matou minha ousadia, você era linda, meiga, todos os rapazes matavam e morriam por você, eu era feio, barbudo, revolucionário, fumava, bebia,  eu sabia que nada eu poderia querer contigo já que comparado a você, nada eu era.
Ai veio a primeira reunião do grêmio estudantil para todos os alunos da faculdade, muita falação, política, festa, cerveja e farra, pronto, eu já havia decidido, aquele seria o momento ideal para te roubar um beijo, lembro que quando você chegou a música parou, agora o amor estava me deixando surdo, você passou por mim e nem me viu, mas deixou no ar o cheiro embriagante de seu perfume caro, cheirava a elite crearense, mas naquele momento eu só pensava, abaixo ao socialismo, abaixo ao comunismo, abaixo a ditadura por que hoje eu só quero amar, essa teria sido uma ótima frase para eu ter dito a você mas faltou coragem.
Eu não conseguia entender, como eu tinha tanta coragem de lutar sem armas contra o exército e não tinha coragem de te falar apenas a um simples Oi ?
Como eu conseguia confrontar o meu pai recusando-me a fazer Direito e escolhendo pelo jornalismo e não tinha coragem de tocar na sua mão?
Eu nunca fui muito de me apaixonar, sempre me perdia atrás de mil encantos e belezas, mas nunca atrás do amor, e quando você me apareceu, sabia que pra sempre você seria minha Flor, minha mulher, meu amor.
Tomei coragem, caminhei até você, é engraçado dizer, mas essa caminhada levou uma eternidade, o som da festa estava alto, mas eu só conseguia ouvir o ritmo descompassado de meu coração ritmando os movimentos de minhas pernas.
Toquei de leve a sua mão, encostei meus lábios em sua orelha e com a voz meio que embargada disse:
__ Muito prazer meu nome é Airton, e eu serei seu futuro marido.
Não deixei você responder, rapidamente preparei meus lábios para um beijo avassalador e quando eu já estava quase sentindo seus lábios junto aos meus, alguém me puxou, era Eduardo um amigo veterano da faculdade, desesperado ele me disse que a polícia invadiu a festa e quem não escapasse iria parar na prisão do exército e naquela época amigo, quem era estudante e ia para a prisão, era torturado e muitas vezes assassinado, mesmo sabendo de tudo isso eu me soltei das mãos do Eduardo e corri feito um louco pelo saguão para reencontrar Luiza, ao longe a vi, e gritei seu nome umas três vezes, ela se virou, me olhou, mas nesse momento um guarda me puxou, me jogou na parede, com voz grave me perguntou:
__ Você é baderneiro rapaz? Quer fazer revolução???
Imediatamente respondi:
__ Abaixo ao socialismo, abaixo ao comunismo, abaixo a ditadura por que hoje eu só quero amar!
O guarda me soltou, por pena, por entender o amor, por achar que eu era louco, nem sei, mas importante é que ele me soltou, mas em meio a todo aquele alvoroço não mais consegui encontrar Luiza.
Naquele dia eu reneguei minha luta de uma vida inteira, joguei no lixo minha causa e mesmo assim perdi um amor que certamente duraria a eternidade!!!

8 comentários:

  1. Bom dia minha amiga!
    MEUS PARABÉS, olha quanta gente já tem por aqui!
    E não vá cometer o erro de dizer que fui eu. É puro mérito teu.
    Os textos estão cada vez mais interessantes e alegres.
    E que bom que não tiraste o botão de mudar a cor do blog.
    Estás visitanto outros blogs como te disse?
    E o teu jornalista não tem sorte mesmo não é?
    A luiza sumiu, o fortão não era a vizinha. ahahah
    Mas pelo menos ele nao foi preso.
    Bjos minha querida

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto. Os anos duros da ditadura são vencidos pelo sentimentos mais fortes ainda do amor. Seu bog está belo.
    Uma ótima sexta-feira pra você! Beijos com muito carinho!

    ResponderExcluir
  3. Ola,

    Passei para desejar-lhe um ótimo final de semana.
    Bjssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Que bom quando encontramos pessoas que conseguem compreender o amor!
    Pena que as vezes isso acontece tarde demais!
    Grata pela visita ao meu blog.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  5. A chuva é dádiva em forma desaguante
    Molha o mundo dessedenta a terra
    Agradeçamos ao Deus das aguas santas
    Por nos presentear com essa bondade tanta!

    Nice Canini

    BOM FDS.....BEIJOS MEUS! M@RIA

    ResponderExcluir
  6. tem um selinho de presente pra vc! :D
    otimo fds
    bjus

    ResponderExcluir
  7. Pocahontas,

    Hoje minhas palavras não serão minhas... já me explico:

    Tenho certeza que naquela noite o Airton gritou:

    "Pai, entregue pra mim esse cálice", enquanto entre lágrimas por não ter sido preso e por perder um grande amor sussurrava:

    "Vem cá Luiza, me dá tua mão
    O teu desejo é sempre o meu desejo
    Vem, me exorciza
    Dá-me tua boca
    E a rosa louca vem me dar um beijo
    E um raio de sol nos teus cabelos
    Como um brilhante que partindo à luz
    Explode em sete cores
    Revelando então os sete mil amores
    Que eu guardei somente pra te dar, Luiza"

    Agora, saindo um pouco da ficção e falando a real... que bom que aquilo tudo é passado!!!

    Um beijo e PARABÉNS!
    Alcides

    ResponderExcluir